segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Segunda Guerra Mundial (1939-1945)

A Segunda Guerra Mundial (1939-1945) envolveu povos de várias nações, mas as principais batalhas ocorreram na Europa, no norte da África e no Extremo Oriente.

Defendendo a ideia de espaço vital, Hitler e os principais membros de seu governo planejaram a expansão da Alemanha nazista.
Em março de 1936, ordenaram que seus exércitos ocupassem a Renânia, região cortada pelo rio Reno, na fronteira entre a França e a Alemanha. De acordo com o Tratado de Versalhes, essa região deveria ser desmilitarizada, mas Hitler ignorou essa determinação.
Subestimando o poder militar nazista, e prevendo uma guerra de trincheiras, com exércitos imóveis tentando garantir suas posições. Os generais franceses, ordenaram a construção de uma longa fortificação percorrendo a franteira entre os dois países, conhecida como linha Maginot.
Em março de 1938 o governo alemão conseguiu anexar a Áustria sem nenhum esforço. Os membros do Partido Nazista austríaco haviam preparado o caminho político para a anexação, também chamada de Anschluss (União). Os nazistas da Áustria fizeram uma campanha alegando que alemães e austríacos eram parte do mesmo povo germânico. Tinham a mesma língua e a mesma cultura, deveriam viver sob o comando de um único Estado.
O Anscluss foi confirmado por um plebiscito realizado na Áustria, em abril de 1938.
Os Sudetos, região  pertencente à Tchecoslováquia, onde vivia uma minoria de origem alemã composta de cerca de 3 milões de pessoas, foi a próxima região de interesse de Hitler. Com o pretexto que o os habitantes da região estavam sendo oprimidos pelo governo tchecoslovaco, Hitler defendia a anexação do território à Alemanha.
Em setembro de 1938, representantes das potências europeias foram convocados para uma conferência em Munique a fim de resolver a questão dos Sudetos. Além de Hitler e seu aliado Mussolini, estiveram presentes o primeiro-ministros inglês Neville Chamberlain e o primeiro-ministro francês Édouard Daladier.
Num ato vergonhoso, os representantes  tchecoslovacos, foram impedidos de participar do encontro. E os ingleses e franceses cederam às ambições nazistas e concordaram com a anexação dos Sudetos.
Em outubro de 1938, Hitler ordenou o exército alemão a ocupar os Sudestos, e posteriormente a Tchecoslovaquia, passando por cima do acordo realizado na Conferência de Munique.

As autoridades francesas e inglesas apenas protestaram verbalmente. Porém para franceses e ingleses o grande inimigo do mundo capitalista era o socialismo soviético
Em 27 de agosto de 1939, representantes de Hitler e de Stalin assinaram um pacto de não agressão e decidiram ocupar e dividir a Polônia.

Em 29 de agosto, Inglaterra e França declararam guerra à Alemanha. Foi o inicio da Segunda Guerra Mundial.
Em 1º de setembro de 1939, tropas alemãs invadiram o território polonês pelo oeste, e as tropas soviéticas, em 17 de setembro, invadiram o país pelo leste.
A ofensiva alemã nos primeiros anos da Segunda Guerra  ficou marcada pela guerra-relâmpago (Blitzkrieg). Estratégia que caracterizava-se pelo avanço rápido dos tanques blindados (Panzers), apoiados pela aviação militar (Luftwaffe) e submarinos. As forças alemãs contavam também com suprimentos de combustível e uma tecnologia de comunicação que permitia contatos com rapidez até então desconhecida. Posteriormente, chegavam as tropas de ocupação (infantaria), consolidando a vitória nazista.

Em 9 de abril de 1940, começou a invasão da Dinamarca. A partir de 15 de maio foi a vez da Holanda. Também em maio, iniciou-se a conquista da Bélgica, de onde os exércitos ingleses e franceses foram obrigados a se retirar pelo porto de Dunquerque. Quase todo o equipamento militar desses exércitos foi tomado pelos nazistas, que ainda aprisionaram milhares de franceses em sua retirada.
Em junho de 1940, os e alemães ocuparam a Noruega e a França. Na Noruega ocupação foi concretizada em 10 de junho, o poder foi entregue ao chefe do Partido Fascista norueguês, Vidkun Quisling, colaborador do governo alemão.
                                                                                                          
Na França, o exército nazista contornou as defesas da linha Maginot em 14 de junho de 1940, ocupando Paris e parte do território francês, que ficaram sob controle alemão. Na parte sul, formou-se um governo que colaborou com os nazistas, comandado pelo marechal Pétain, sediado na cidade de Vichy.
Em oposição a esse governo, o general Charles de Gaulle, liderava o grupo franceses livres, representante da resistência francesa ao nazismo.

Pelas ondas da Rádio BBC de Londres, De Gaulle tentava mobilizar os franceses e os povos africanos das colônias para se organizassem e lutassem contra a ocupação nazista.
Os italianos, liderados por Mussolini, aliaram-se aos alemães. Na Europa Ocidental, os ingleses eram os grandes adversários do nazifascismo. Os ingleses resitiam aos ataques alemães. Os ataques e tentativas de invasão alemã na Inglaterra ocorreram entre 1940 e 1941, ficaram conhecidos como Batalha da Inglaterra. A RAF (Royal Air Force) conseguiu neutralizar as ofensivas da Luftwaffe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário